28/03 - Contabilidade na TV


Fabio Giambiagi, especialista em Previdência Social, disse há pouco que o problema no Brasil não é contábil, mas de justiça social.

Segundo ele, um sistema que permite aposentadorias precoces enquanto gastos com saúde e educação caem, não é um sistema justo. "Eu tenho vergonha de um país que permite essa dilapidação dos recursos públicos."

Ele afirmou que a média de idade da aposentadoria dos trabalhadores rurais é de 58 anos e das mulheres que se aposentam por tempo de contribuição, de 53 anos. "Isso não é um debate partidário, é importante para o futuro dos nossos filhos."

Cálculo dos benefícios
O economista sugeriu, porém, mudanças na reforma. Sugeriu o aumento de 51% para 55% do percentual inicial para o cálculo dos benefícios. Por essa proposta, uma pessoa que começasse a contribuir aos 20 anos e chegasse aos 65 com 45 anos de contribuição, teria 100% do benefício.

Ele também disse que o fim da acumulação da aposentadoria com pensão vai afetar muito os viúvos ou viúvas porque alguns gastos grandes como aluguel continuam os mesmos após a morte do companheiro. "Talvez pudéssemos limitar a acumulação, mas não proibir".

Fabio Giambiagi é superintendente na Área de Planejamento e Pesquisa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ele participa de audiência pública da Comissão Especial da Reforma da Previdência (PEC 287/16).

A proposta altera regras em relação à idade mínima e ao tempo de contribuição para se aposentar, à acumulação de aposentadorias e pensões, à forma de cálculo dos benefícios, entre outros pontos.

A comissão está reunida no plenário 3.

Mais informações a seguir

Reportagem – Silvia Mugnatto
Edição – Newton Araújo

Por: Agência Câmara de Notícias

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!
Baixe para iOS.
Baixe para Android.
Baixe em HTML5.

0 comentários:

Postar um comentário