24/05 - Contabilidade na TV

Foto: Arquivo/Elza Fiuza/ABr
Pela primeira vez desde o início de 2014, a intenção dos comerciantes brasileiros de investir em estoques cresceu por dois meses consecutivos. O Índice de Investimentos em Estoques, um dos componentes do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), subiu 1% em maio, em comparação a abril, e 2,8% em relação a maio do ano passado. Os dados foram divulgados hoje (24), no Rio de Janeiro, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Embora positivo, o índice atingiu 84,5 pontos em uma escala de 0 a 200, o que significa, na avaliação da economista da CNC Izis Ferreira, que ele “ainda está na zona de avaliação negativa” , abaixo de 100 pontos, e precisa, portanto, manter o crescimento registrado em abril e maio para passar a uma percepção positiva.

Segundo Izis, não há como se afirmar que a recuperação na intenção de investir em estoques vai se manter nos próximos meses, devido à crise gerada pela delação dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da empresa JBF, com acusações contra o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), entre outras pessoas.

“É possível até que sim [os estoques cresçam], porque a recente recuperação de alguns indicadores da atividade econômica já estavam até contratados, porque o custo de oportunidade de manutenção de estoques vem diminuindo. No momento em que você tem o processo de redução da taxa de juros, o custo de oportunidade associado aos estoques diminui também”, admitiu.

Além disso, o barateamento do crédito favorece o aumento da intenção de investimentos em estoques.

Recuperação
Izis disse ainda que a expectativa mais positiva dos comerciantes também está relacionada ao quadro do mercado de trabalho, que continua deteriorado, mas a crise não vem se aprofundando. O fechamento de vagas tem diminuído e em alguns setores específicos já há saldo líquido de postos formais, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho.

A economista lembrou que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vem apurando quedas cada vez menores no comércio e alguns segmentos já apresentam taxas positivas. Em março, por exemplo, registrou-se aumento das vendas de material de construção, artigos de vestuário, móveis e eletrodomésticos.

“Com esses resultados menos negativos e, em alguns casos, mais positivos, os comerciantes começaram a enxergar que o pior já havia passado. Nesse sentido, no caso dos estoques, aumentaram as intenções de investir em estoques, pelo segundo mês seguido, nas duas bases de comparação, o que a gente não observava desde o início de 2014”.

Trata-se de um movimento lento, mas progressivo, segundo Izis Ferreira, que avalia que a recuperação percebida pelo comércio pode refletir no aumento das encomendas à indústria. Izis Ferreira avaliou que  se confirmou a ampliação projetada do volume de vendas na Páscoa e no Dia das Mães, em relação aos mesmos eventos do ano passado, o que reduziu o nível de estoques no comércio. “Portanto, é natural que a intenção de investimentos em novos estoques tenha aumentado”.

Encomendas
Em comparação com maio do ano passado, a intenção de investir na renovação dos estoques por parte dos lojistas cresceu 4,6% no setor de bens duráveis (que engloba produtos eletrodomésticos, eletrônicos, móveis e decorações, cine foto e som, ótica, material de construção e concessionárias de veículos) e 3,2% em não duráveis (supermercados, farmácias, drogarias, perfumarias e cosméticos), mostrando estabilidade em semiduráveis (vestuário e acessórios, calçados, tecidos).

A economista da CNC analisou que o aumento na intenção de investir em novos estoques de bens duráveis “tem a ver com a redução dos juros, que facilita em termos de custo. Isso quer dizer que aqueles produtos que são mais sensíveis ao crédito, estão mais associados às vendas a prazo e têm um tíquete médio maior têm sido mais beneficiados”.

Apesar de mostrar a maior taxa de crescimento, o índice de investimentos em estoques do comércio de produtos duráveis, com 81 pontos, é o menor dos três grupos. Não duráveis apresentou 82,9 pontos e semiduráveis, 93,7 pontos.

Situação atual
No que diz respeito à composição das respostas que qualificam o nível dos estoques, a pesquisa da CNC revelou queda de 2 pontos percentuais em maio entre os lojistas que consideram o nível de estoques acima do adequado. A média nacional foi 29,5%, contra 31,5%, em abril.

O grupo de duráveis puxou a queda: a parcela de comerciantes que consideram os estoques acima do adequado (33,5%) caiu 4,8 pontos percentuais comparativamente a abril. A parcela de comerciantes que consideram os estoques acima do adequado ficou em 25,5% nos semiduráveis e 27,8% nosnão duráveis.

Edição: Lidia Neves

Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!

0 comentários:

Postar um comentário