10/07 - EFE

EFE/Marcelo Sayão
A entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) deve fazer com que o país tenha mais transparência e agilidade nos processos tributários, avaliou o especialista em consultoria tributária de estruturação, Lucas de Lima Carvalho.

O governo do Brasil formalizou no fim de maio um pedido de adesão à OCDE, mas mantém acordos com a instituição desde a década de 1990. Em 2007, o país se tornou um dos cinco "parceiros-chaves" do grupo.

Para o especialista, o Brasil deve agora avaliar várias questões para se adequar aos padrões da OCDE, entre elas a uma maior transparência e agilidade tributária, assim como revisar os acordos assinados entre 1980 e 2000.

"Temos que destacar as regras dos preços das transferências, que são diferentes das de outras partes do mundo. Há margens fixas, enquanto as outras regras de transferência não têm", destacou Carvalho, que também é especialista em resolução de conflitos fiscais técnicos. 


Use o APP do Contabilidade na TV e mantenha-se informado!

0 comentários:

Postar um comentário